quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Entre joaninhas e a falta de você.

Ao mesmo tempo em que o sol começava a ir embora, suas pernas e seu quadril formigavam mais que tudo, fazendo com que ela não sentisse mais o leve roçar da grama molhada contra suas pernas descobertas. Tombando a cabeça para trás, deixou o já conhecido cheiro de orvalho entrar por suas narinas e navegar dentro de si, tal cheiro que trazia um enorme frescor e uma intensa saudade.
Mais algumas horas se passaram e o sol já estava longe, o céu, antes azul claro, agora sorria laranja, e as flores do campo pareciam combinar estupidamente com a cor do mesmo. Riu, pensando como tudo isso ficaria bonito cercado por uma moldura e pintado por alguém que realmente soubesse trazer toda aquela sensação de liberdade para dentro de um quadro qualquer.
As incansáveis joaninhas que tentavam entrar dentro de suas sapatilhas a faziam esquecer, mesmo que por pouco, toda a tristeza que sentia em seu coração. Mas logo esse pouco virava nada e aquela dorzinha paradoxa, que ao mesmo tempo conseguia ser imaginária e também misteriosamente aguda, voltava a cutucar o lado esquerdo de seu peito, onde insistia em dizer que já morou um coração.
Tudo parecia tão lindo.
Tudo parecia tão perfeito.
Exceto por sua presença que destoava o resto da composição.
Nessa primavera, ela não fazia parte daquela paisagem, ela estava ali da mesma maneira que uma mosca pousa sobre um quadro recém pintado, atrapalhando toda a beleza e deixando um pedaço, por menor que seja, sem tinta, perdido.
E, agora deitada, já não sentindo mais noventa por cento de seu corpo, fechou os olhos, desejando que aquele buraco do lado esquerdo de seu peito formigasse também, deixando-a livre da constante dor.
Alguns minutos depois, o incômodo havia passado e apesar de manter os olhos fechados, ela podia se enxergar, correndo feliz pelo mesmo campo, na primavera passada, notando que o detalhe mais importante da paisagem era a forma como sua mão era acolhida pela dele, que também corria ao seu lado, completando a lacuna que faltava para o fim da obra.
As joaninhas voltaram a escalar seus tornozelos e o elo entre suas mãos e as dele foi se desfazendo, trazendo-a de volta para a realidade, onde nem o melhor remédio do mundo tiraria aquele pulsar latejante, aquela dor constante, aquela felicidade distante.
-

Primeiro de tudo, queria agradecer todos os elogios pelo último post e contar que eu ganhei o concurso (yey!). Aqui vocês podem ver os outros ganhadores.
Aproveitando a minha falta de idéias, decidi participar de outro concurso, agora do Bloínques, no qual eu precisava redigir um conto a partir da foto ali de cima.
Espero que gostem e desculpem a demora para atualizar, não me culpem, culpem a semana de recuperação e, por favor, culpem a matemática, a física e a química.
Ps: 58 seguidores! Eu nunca, nunca mesmo, achei que esse blog iria para frente e, não poderia estar mais feliz.

Beijos e continuem escutando o que nossas mamães sempre dizem e façam (ou não) proveito disso.


13 comentários:

Romário Reat disse...

Eu vi. Parabéns. Eu não fiquei nem com a quinta colocação MLKSAMSLKASMASKLS é a vida, fazer o que... rs :X

Jéssica Fiaz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica Fiaz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica Fiaz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica Fiaz disse...

Olá, como vai? Eu queria convidar você que gosta de escrever - blogueiros ou não - para participarem do projeto "De onde veem as letras?".

A cada semana são dois desafios: um de leitura de imagens e um outro variado. E a cada semana teremos dois vencedores: um blogueiro e um outro não-blogueiro. E os textos serão publicados no blog: http://deondeveemasletras.blogspot.com/

Para se cadastrar e saber mais informações visite nossa comunidade: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=106177803

Obrigada!

Jéssica Fiaz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica Fiaz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tatá R. da S. disse...

Adorei o texto.
Pude visualizar como um curta-metragem e muito bonito.
Bela ilustração de palavras.
=*

Callie disse...

Passando pra deixar um beijooo
quando puder vá conheer meu espaço...


Seguindo-te.
beijoos

Callie disse...

Passando pra deixar um beijooo
quando puder vá conheer meu espaço...


Seguindo-te.
beijoos

Callie disse...

Passando pra deixar um beijooo
quando puder vá conheer meu espaço...


Seguindo-te.
beijoos

Gabriela Andrade disse...

A descrição foi mágica. Lindo! (;

Gabriela Andrade disse...

A descrição foi mágica. Lindo! (;